Imagem capa - Essa mistura que somos nós por Teca Avelar Fotografia
álbuns impressos

Essa mistura que somos nós



Estava aqui finalizando a edição das fotos de álbuns impressos quando comecei a pensar sobre a vida, seus caminhos, nossos planos, escolhas. Sobre como as coisas se encaixam em algum momento, em como dão ou não certo. Em como nos deixam cheios de certezas num momento e de dúvidas em outros.

Para quem não sabe, eu me formei em jornalismo. Amo escrever, amo ler. Sempre amei. Assim como sempre amei artes, cinema, fotografia, design, intervenções, grafite, a vida criativa de um modo geral.

Quando me formei, tinha certeza que não poderia ter feito outra escolha. Mas apesar disso, eu nunca tive nenhuma certeza dentro do jornalismo; nunca quis ser repórter, nem trabalhar em jornal, nem revista...
A verdade é que fui deixando a vida me levar. E trabalhei em produtoras, aprendi um pouco sobre legendagem, decupagem, produção. Trabalhei como redatora, revisora de textos, repórter, editora. Trabalhei em agências, assessorias, num pequeno jornal, numa grande tv. Fiz frilas, tive clientes próprios, tive ideias, descobri novos caminhos e fui andando pela rua das oportunidades: o que surgiu e eu gostei, eu mergulhei de cabeça.

Aprendi daqui, gostei dali. Somei conhecimentos, aprendizados, histórias. Fiz amigos, parceiros.
E num dia olhei pra trás e me perguntei: tá, de que adiantou essa porra toda se eu não sei o que eu quero? De que adiantou tudo até aqui, se não sei pra onde ir?

E a fotografia, que já fazia parte da minha vida foi tomando seu lugar. Mais e mais, até se tornar, enfim, a minha grande descoberta. Ufa!

Além de fotógrafa, virei secretária, financeiro, criação, diagramadora, editora, psicóloga, amiga, babá, gerente, diretora, empreendedora, marketing, comunicação e tudo mais que faz uma empresa funcionar. Afinal, eu não apenas tiro fotos. Eu vendo memórias, histórias, um produto, uma marca, uma imagem, muita, mas muita coisa junta, mesmo!

Não é fácil e nem tão simples quanto parece; mas pra uma pessoa poli como eu, acho incrível ser obrigada a ser tão versátil, a jogar em tantas áreas, a me superar naquilo que não sei, mas que tenho que aprender, a descobrir coisas, objetivos e métodos novos. De tudo, pra tudo.
Foi assim, me vendo numa posição que jamais imaginei, que concluí com uma imensa felicidade, que nada daquilo que ficou pra trás foi em vão.

Os cursos de fotografia quando eu ainda nem pensava em ser fotógrafa, o curso de direção de modelos, o congresso de mídias digitais em São Paulo, os amigos que perturbei nas agências para aprender a mexer no photoshop, a minha curiosidade de sempre dobrar uma esquina além desse caminho que eu nem sabia onde ia dar.

Hoje, tenho absoluta certeza de como tudo que fui juntando, agregando, aprendendo, inventando, descobrindo, me transformou nessa profissional maluquete, cheia de ideias e sonhos.

O que os álbuns têm a ver com isso? rs
Que talvez hoje, ao fazer uma faculdade, eu faria design. hahaha
Brincadeirinha.

Mais do que isso, os álbuns são a realização concreta de todas as misturas que eu sou, que me tornei, que me torno a cada dia. Porque eu nunca imaginei que eu seria capaz de chegar até aqui, de fazer tanto de tanta coisa diferente. Eu nunca me imaginei diagramando um álbum. Eu nunca me imaginei criando capas. Eu nunca me imaginei fotografando casamentos, partos.
Eu não sabia onde queria chegar, eu nem sabia se chegaria a algum lugar, sabe?

Então, esse post é só pra dizer que, se você também não sabe pra onde ir, se não sabe o que fazer, se acha que já jogou tempo demais fora...eu te digo que NÃO!
Você não jogou, você não precisa achar o caminho de primeira, nem de segunda, nem de terceira. Não, não é fácil pra todo mundo.

Mas tenha certeza: quando você achar, você VAI saber. Como hoje eu sei.
Você vai conseguir ser gentil consigo, como eu consegui ser comigo quando tudo se encaixou. E olha que, quem me conhece, sabe que não sou muito gentil comigo - tamanhas as minhas críticas e nível de exigência.

Eu chorei, eu esperneei, eu duvidei, eu desacreditei, eu tive medo, muito medo; mas eu consegui.

Vamos deixar combinado que você vai acreditar em mim?
Que o tudo de hoje valerá a pena amanhã?
Pode não fazer nenhum sentido agora, mas vai fazer. Eu prometo.



Agora vamos babar nas fotos dos álbuns que me levaram até esse post?
Vem, compartilha essa alegria aqui comigo! ;)